oi =}

"Não cobiço nem disputo os teus olhos, não estou sequer à espera que me deixes ver através dos teus olhos, nem sei tão pouco se quero ver o que vêem e do modo como vêem os teus olhos. Nada do que possas ver me levará a ver e a pensar contigo se eu não for capaz de aprender a ver pelos meus olhos e a pensar comigo.
"
(Iniciação - Ademar Santos)

31 de dezembro de 2010

2010, vai tarde!

Certamente não tive um ano maravilhoso, passou longe, muito longe, mas foi diferente.
Não aconteceu muita coisa e o que aconteceu mudou tudo! 
Eu não queria ser "quase" né? 
Coloquei num post no início desse ano ou no final de 2009, e certamente não fui.

Agora, neste momento, início do dia 31, data a qual nunca desejei tanto que chegasse, olho pra mim e nem parece que eu sou eu. Não sei se isso é bom, não sei se é ruim, só sei que este ano me mudou tanto que estou ansiosa pela minha vida daqui pra frente porque não tenho idéia de como será.
Em 2010 o "não entender" tomou conta de mim. Foi estranho.
Fiquei impotente, fraca, só, mesmo com tantos em volta. Fui triste, nunca tinha ficado tão triste em toda a minha vida, triste de fraquejar, triste de emagrecer, triste de perder a forme, triste de perder o sono. Fui sensível ao extremo, fugitiva dos outros, nunca fiquei em casa com tanta frequência, nunca fiquei tão sem amigos e me senti tão mal amada, e má amiga.

Fui chorona, chorei tanto, chorei tudo, tudo o que chorei na vida antes de 2010 não chega ao litros que chorei esse ano, não entendi como antes nunca tinha chorado num filme, numa frase, numa música, num culto, quanta insensiblidade eu tinha, ou orgulho em não expor sentimentos frágeis.
E não entendia porque chorava tanto ao chorar, quando via tava chorando.
Acho que acumulei tanto que soltei tudo.

Descobri e pensei tantas coisas!
Descobri que não tem como saber o que é amor se você não estiver disposto a isso e que eu devo, obrigação mesmo, amar sem esperar algo em troca e me sentir a vontade com isso, mesmo que a socialização por conveniência, a procura em ser servido e satisfeito, e o "o que eu vou ganhar com isso?" seja o esquema de todos no mundo, mesmo que eu não queira fazer parte disso, mesmo que eu sofra com isso,  é assim, e eu vou me machucar. Mas que mesmo sabendo disso, que eu ame. Porque alguém, algum dia , compartilhará dos mesmos propósitos que os meus, que nem são simplesmente MEUS.

Nunca fiquei com tanto ódio por pensar em fazer coisas certas e sair perdendo, e por resistir ao que sabia não ser o mais correto e não tentar me impor a tempo, antes de machucar e decepcionar pessoas e ser decepcionada.

Que não dá pra controlar os outros, mesmo que você tenha as melhores intenções do mundo, simplesmente não vão querer tua ajuda. É aquela famosa frase: Não importa o quanto você se importa, algumas pessoas simplesmente não se importam.

Odiei o mundo, odiei as práticas das pessoas conformadas com o mundo.
Comprovei que Deus conhece além do que se vê e  nos meus momentos de "não tenho nada" percebi que a única coisa que eu tenho de bom realmente é a única coisa que preciso.
 
Não quero levar nada de ruim para 2011 e não quero fazer tantos planos. Eu to cansada.

Em 2011 eu realmente só quero uma coisa: Que Deus faça sua vontade na minha vida.
Claro, isso Ele sempre vai fazer,  eu querendo ou não, mas que Ele me prepare para isso. Que Ele cumpra em mim o que Ele bem quiser, mas que eu entenda... mesmo não entendendo...e que eu confie nEle.

Enfim, me esvaziei de mim, ou de boa parte.
A Talita de 2011 não é a mesma de 2009, que já não era a mesma de 2008. 
Esse ano me lapidou, me refinou. E doeu. 
Tirar insensibilidade, frieza e indiferença do seu ser ,dói.
Tirar orgulho impregnado, dói, dói muito.
Ainda acredito que a humildade está longe de mim, mas está mais próxima que no passado.

P.S: Desculpa a todos que se preocuparam comigo, que me olharam com pena,  e que quiseram saber mais de mim e eu simplesmente não ajudava.
Sabe... Eu precisava desse ano como foi, mesmo não o querendo.

24 de dezembro de 2010

Importâncias

- É que as pessoas dão importância pra coisas diferentes. Eu não to triste, só acho que algumas coisas são mais importantes que isso. Isso era algo que dependia exclusivamente de mim. Quando as coisas dependem de mim, e apenas de mim, fico até que tranquila. Sabia que daria certo de alguma maneira. Era o que eu sempre falava "Se Deus quiser e eu não estragar...". Posso ver que Deus quis e eu não estraguei.

É sério. Eu não to triste, não to escondendo nada, é o que vocês já sabem: não estou onde queria estar quando me imaginava no dia de hoje no ano passado. Eu tinha tudo pra estar, mas eu não estou. Mas não é tristeza... Quando olho e vejo que tudo já passou dá um alívio, uma leveza, mas nada além disso, nada de bom ou alguma alegria extraordinária. Eu não to sentindo nada. Esse é o problema.

(Ok Nem foi assim a conversa mas isso q era pra eu dizer.)

Isso nem era sobre o Natal, mas são as reflexões que a data provoca. 
E agora estou aqui lendo e trazendo a memória o que dá esperança.
"Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados. Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste." (Colossenses 1: 13-17)

"No princípio era o Verbo. O Verbo estava com Deus e o verbo era Deus.
O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade" (João 1:1 e 14)

Isso é motivo de sobra pra comemorar.
Foi uma coisa que aprendi esse ano: Mesmo quando não sinto nada, Deus tá presente.*
Feliz Natal!

*A onipresença de Deus e a manifestação de sua presença são coisas diferentes. Uma é um fato; a outra é freqüentemente uma sensação. Deus está sempre presente, mesmo que você não perceba sua presença, e sua presença é muito profunda para ser medida por uma mera emoção." (Rick Warren)

16 de dezembro de 2010

Carta

Em primeiro lugar louvamos a Deus por ter nos dado este presente tão especial, que é você. Também queremos lhe parabenizar pelo seu sucesso, por mais uma etapa vencida de sua vida, obrigado por ter nos dado este presente, que eu considero uma vitória para todos nós, você sabe o quanto nos orgulhamos de ter uma filha dedicada, carinhosa, inteligente, esforçada e amiga como você. Esta conquista foi mérito seu, e pedimos a Deus que continue lhe abençoando, que esta seja apenas a primeira etapa de uma vida cheia de vitórias para a glória de Deus. Lhe amamos muito e torcemos para que você realize todos os seus sonhos.


"Feliz o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento; porque melhor é o lucro que ela dá do que o da prata, e melhor a sua renda do que o ouro fino. Mais preciosa é do que pérolas, e tudo o que podes desejar não é comparável a ela.
O alongar-se da vida está na sua mão direita, na sua esquerda riquezas e honra. Os seus caminhos são caminhos deliciosos, e todas as suas veredas, paz. 
É arvore de vida para os que a alcançam, e felizes são todos os que a retêm."

Provérbios 3:13-18.


De seus pais que lhe amam muito!

10 de dezembro de 2010

No fim dá tudo certo

Não encaro o blog como diário. Ninguém que passa por aqui, que não me conhece, quer saber detalhes da minha vida. O que gosto de fazer é transformar esses detalhes em alguma reflexão.
Aí todos os textos do blog, eu, e quem é próximo, sei/sabe sobre o que é, mas quem não é próximo de mim pode entender da forma que quiser.

To escrevendo isso porque hoje foi um dia feliz. =] .A defesa do meu TCC. 
E eu não tenho como explicar e agradecer isso sem me expor e expor os outros. heh
E eu quero ser o mais pessoal possível nesse post.
E para isso vou citar nomes.
Deus!
O que seria de mim sem Ele, o que nós seríamos? 
O agradeço por tudo que possibilitou chegar a este momento, pela sabedoria e conhecimentos a mim proporcionados, conforto, proteção e Sua mão que guia a minha vida. Pois sem Ele nada posso fazer.

Minha mãe, Teka, linda e maravilhosa, e meu pai, Riba, um chato legal, narigudo, bases da minha educação em todos os sentidos. Amo!

Meu irmão e amigo Michel, pelas ajudas e paciência a minha falta de paciência, pelas conversas e incentivos, sempre muito importantes e adequados. Apesar de me irritar e me fazer chorar de vez em quando dizendo que sou má, chata e egoísta. É recíproco. Ê. Amo!

Todos da minha igreja, pelas orações que com certeza me sustentaram neste ano tão difícil.
Alguns chegaram comigo e disseram: "To orando por ti". Vocês não tem idéia de como isso me deixa bem...

Minha orientadora de TCC, Roseli Sousa, a melhor orientadora do mundo!

Amanda Nery! Minha vizinha e amiga desde a infância, a “casa aberta”. fazendo comida pra mim, heh. É a pessoa mais prestativa e boa que eu conheço,  não existe igual. Sempre conversando assuntos edificantes, aqueles que realmente são úteis pra vida.

A minha turma, que contribuiu para meu amor pelo curso de Design, pelos momentos juntos, dos quais sentirei tantas saudades! Principalmente Andrea e Pablo que compartilharam comigo tantos trabalhos em grupo e momentos.

A todos que abriram portas para mim: Dr. Bellesi, Eng. Luiz Penna e Marcos Moraes, com os estágios, onde coloquei em prática a teoria estudada, aprendi tantas coisas nem citadas no curso e descobri minha área de interesse no design.

Todos que ajudaram no desenvolvimento do projeto do meu TCC, tanto em discussões quanto no envio de materiais: Maria Gabriela (e sua equipe) , Larissa Lustosa, Lyna Oikawa, Guga Pimentel, João Roberto, Jocelyn Alencar (e sua equipe), Jorge Sá, Rafael Castro e Vanessa Simões.

Tássio Bentivi... não sei o que dizer. Nada vai dizer alguma coisa.

A minha banca (Prof. Alacy, Ana Paula e minha orientadora) por ter me dado um lindo 10 e não terem reclamado por eu ter falado mais de meia hora. xD
Apesar de eu ter ouvido, sim, um "teu tempo acabou" e ter ignorado sutilmente. desculpa.

Ao Google e Adobe ♥ Porque sem vocês... aaaaah, o que acontece sem vocês? xD
Twitter! ♥ Onde eu xingo muito, te amo.
Facebook, Orkut, Gengibre, Formspring e Blogger. uhUshUA
Terminei o TCC sem abondonar nenhum perfil das minhas queridas mídias sociais. tá vendo só? heh
É muito útil pra mim, sério. Não tinha porque abandoná-los. Seria traição. Ê.

To escrevendo tudo isso pra ficar registrado, não posso deixar isso passar.
A leveza e a emoção tá em mim de uma forma tão perfeita agora...
e isso aqui está apenas para reconhecer que todos vocês fazem parte disso.
Obrigada!


p.S: bjo marco túlio.

4 de dezembro de 2010

Designers = Eu não sou cachorro não

Um paciente entra na sala do médico:

- Quero que você resolva meu problema.
- O que você está sentindo?
- Eu não sei.
- Você sente dor?
- Sei lá, por aí. Você é medico, você que sabe.

Ok. Pode não ser o melhor exemplo, mas é assim que eu vejo quando alguém chega e diz que quer que eu crie alguma coisa,  e eu digo "o quê" e a pessoa diz que não sabe, eu sou a designer.

eu me mordo.

Sem falar dessas outras coisas:






Por causa disso, não sei determinar preços.
vocês são chatos.
bjos.

18 de novembro de 2010

‘Nós nos tornamos naquilo que amamos’

Oi. 
Este texto eu roubei do blog do Pr. Egon. Como depois de toda pregação dele lá na igreja eu fico pensando "Égua, muito firme!", aconteceu a mesma coisa com esse texto, e eu resolvi compartilhar.
É grandão mas é tão bom.

"Introdução:
Uma lei da matemática diz: a menor distância entre dois pontos é uma reta. Oscar Niemeyer concorda e acrescenta: ‘mas, a curva é mais bonita’.

O ser humano vive num processo de transformação. Uma pessoa pode afundar-se ou pode voar; subir o poço ou descer nele. Vivemos o processo de transformação que consiste em sair de um determinado ponto para outro. Ou, na verdade, de um padrão para outro. Alguns, ao adquirirem o conhecimento decidem seguir a lei matemática – seguir em linha reta. Outros infelizmente, não pela beleza arquitetônica de Niemeyer, enveredam pela curva. Reconhecem a verdade que precisam viver, porém flutuam oscilando de um lado para outro. Tal oscilação se dá pela atração que o padrão antigo impinge sobre o coração e a conduta do indivíduo. São indivíduos que vivem exatamente na descrição que Leon Tolstói fez: ‘a vida inteira de um homem é uma contradição contínua daquilo que ele sabe ser seu dever. Em todas as áreas da vida, ele age em oposição desafiadora às ordens de sua consciência e de seu bom senso’. Uma questão que Tozer levanta no seu estudo é fundamental – não é o fato de haver um processo e sim ‘no que uma pessoa está se tornando’.

O caso de Nina -  Ela foi criada num ambiente e família que tinha um pai devotado ao trabalho. Um homem esforçado para dar o melhor à sua família. Exigia de Nina dedicação exaustiva aos estudos. Sua frase preferida: estude para não depender de ninguém. Você tem de fazer por você. Sua mãe uma pessoa complexada, mas zelosa pela casa. Na verdade, era perfeccionista. Tudo tinha de estar no lugar devido. Tudo muito limpo. Não demonstrava muita alegria, pois os sinistros da limpeza e arrumação consumia sua vitalidade. Imponha suas obsessões a Nina. Dizia constantemente: faça o melhor. Arrume e mantenha suas coisas em ordem. O irmão mais velho era um esportista. Sua paixão pelo voleibol o levou à uma adoração ao corpo malhado, treinamento e disciplina. Sua influência a Nina foi: cuide de seu corpo; seja disciplinada. Nina cresceu alimentando-se dos seguintes sentimentos: sou a melhor; estou certa; não preciso de ninguém; as pessoas é que precisam de mim. A Nina pensa assim de si mesma: sou inteligente, esperta, forte, líder. O sentido de sua vida resume-se desta maneira: sou altamente produtiva, pois faço várias coisas; tenho poder para influenciar; posso controlar minha vida; meu corpo satisfaz os padrões estéticos; dou segurança para os que vivem ao meu redor…

O texto de Pv 27.19 – Derek Kidner resume a mensagem do verso assim: ‘se quiseres ver a ti mesmo, olha para dentro, e não no espelho’. As decisões, as emoções reproduzem como um espelho o coração do homem. O Professor Carlos O. Pinto comenta assim: “As emoções e decisões do indivíduo são o espelho de sua personalidade.”

O rosto é, muitas vezes, a descrição da mente e do coração. Indignação e revolta no coração podem ser vistos no rosto, como se encontravam em Caim. (Caim será nosso estudo de caso nesta mensagem.) O que também está no coração do homem é diferenciado por aquilo que sai dele por suas palavras, e também por suas ações; de fato, uma pessoa pode saber com boa medida o que há no seu coração, por aquilo que ela percebe nas suas atitudes e assim encontrar em seu próprio coração.
 Alguns interpretes vêem outra possibilidade que o texto indica: Podemos fazer uma leitura do caráter e do coração de uma outra pessoa pelo que vemos em suas atitudes e palavras.

Já ouvimos muitos citarem Pv 23.7 para confirmar o princípio ‘eu sou o que eu penso’ ou ‘o que quer que eu pense, nisto me torno’. Talvez alguns ao ler o título já fizeram tal associação. Eu mesmo pensei em usar o texto. Ele, porém, não se aplica. O texto de Pv 23.7 precisa ser  entendido no contexto dos versos 6 a 8. O bloco ensina o seguinte: cuidado com os favores da pessoa gananciosa, pois ela requererá prestação de contas. Quem imagina em sua alma é o homem ganancioso. Ele é assim: não faz nada por caridade. O texto nos diz que as ações de uma pessoa não condizem com seus pensamentos. O ganancioso é manipulador e enganador.
Os pensamentos são importantes e influenciam o comportamento. O texto de Rm 12.2 e 2ª Co 10.5 tratam da área de pensamento e não Pv 23.7.

No que você está se tornando?
A resposta é: o que eu amo molda meu caráter, meus pensamentos, minha conduta. Lembremos da linha traçada entre os dois pontos. O desenhista a visualiza e estabelece como sair de um ponto e ir até o outro.

Aplicando ao ser humano:
A pessoa é a linha. O coração é o desenhista. Deus está no controle de cada ponto ou traço que a pessoa dá. No que você está se tornando?

C.S. Lewis, no livro O grande abismo, fala de um grupo de fantasmas que saem do inferno num ônibus e dirigem-se até os portões do céu. O anjo diz que elas continuariam fantasmas enquanto confiassem numa ou noutras coisas para se tornarem sadias. Em contrapartida, fala das pessoas sólidas, as que vivem no céu. São as pessoas que despojaram seus ídolos. A metáfora é válida na perspectiva de ilustração da santificação em que buscamos ver Cristo formado em nós e nos despimos do velho homem.

Queremos traçar uma linha reta, porém bela à nossa conduta e à nossa consciência. Vamos do deslocamento de um lugar para outro. A linha (nossa vida) a ser traçada deve obedecer ao projeto elaborado por Deus.
Para ler o projeto precisamos de orientação.

Vamos examinar (2) duas orientações acerca do tema:
A 1ª orientação sobre nosso tema: Nós nos tornamos naquilo que amamos.
Identifique e destrua seus ídolos do coração. Ezequiel 14.1-5

Um ídolo do coração significa: A substituição do verdadeiro Deus por deuses de fabricação própria a fim de atender aos desejos e necessidades pessoais.
Usamos duas palavras: desejos e necessidades como palavras chaves ou formadores dos nossos ídolos.
Calvino falou sobre os desejos: “O mal não está tanto em nossos desejos, mas no fato de que os desejamos tanto.” As minhas necessidades precisam ser preenchidas, afinal sou um ser emocional ou psicológico, físico e espiritual. Então, construo deuses funcionais para encher meus recipientes vazios.
Os ídolos que criamos para nos servir; nos sastifazer acabam por nos escravizar.
Uma palavra referente a questão ‘necessidade’ e ‘desejo’.

Necessidade: é aquilo que preciso para suprir uma falta. Comida é uma necessidade para nos mantermos vivos.
Desejo: é aquilo que queremos a fim de satisfazer uma vontade. Comer uma barra de chocolate satisfará meu desejo. Talvez, motivado por uma propaganda; prazer.

Não tenho necessidade biológica de comer chocolate para me manter vivo.
Na área física ou biológica alguns constroem ídolos – comida; roupa, casa, sexo.
Os desejos se tornam em exigências. As exigências se expressam em forma de necessidades.

Exemplificando: nenhuma esposa diz: ‘Querido, eu desejo um vestido novo.’ O que ela diz sempre é: ‘Querido, eu necessito de um vestido novo!’ A necessidade estabelece uma expectativa. Nela há um relacionamento. Caso a resposta seja negativa, há desapontamento. O desapontamento gera um tratamento. Em geral: vai do tratamento de silêncio até atos de violência. O desejo é lícito. A necessidade pode ser plausível. A reação pecaminosa é fruto da idolatria do coração sob influência da estultícia.

O caso Nina: Ela foi para faculdade. Formou-se como a melhor da turma. Empregou-se numa empresa. Nina é crente. Freqüenta uma boa igreja evangélica. No seu serviço, depois de algum tempo começou a enfrentar divergências com seu chefe. Os conflitos chegaram a tal ponto que foi demitida pelo chefe. Nina não se deu por satisfeita. Conseguiu levar seu caso até a diretoria da empresa. Após várias avaliações, a diretoria concluiu que o chefe de Nina tinha falhas nas suas responsabilidades e que Nina tinha razão nas suas conclusões. Mas, a diretoria manteve a demissão de Nina. Isto gerou uma crise na vida de Nina. Foi ao pastor. Ele a escutou. Leu alguns textos bíblicos e emprestou-lhe um livro que trata da vida cristã e autoridades. O livro trouxe mais informação que promoveram seu egoísmo; seu orgulho. Conversou com alguns líderes dos jovens e não obteve recursos bíblicos para aplacar sua ira e altivez.

C.S. Lewis observa assim:
“A vida cristã é diferente: mais difícil e mais fácil. Cristo diz: ‘Dê-me tudo’. Eu quero tanto do seu tempo, tanto do seu dinheiro, tanto do seu trabalho. Quero você. Eu não vim para atormentar seu ego natural, mas para matá-lo. Meias medidas não trazem nenhum bem. Eu não quero podar um galho aqui, outro ali, mas quero derrubar a árvore inteira. Entregue todo o seu ego natural, todos os desejos que você julga inocentes bem como os que você julga iníquos – todo o seu ser. Eu lhe darei um novo eu. Na verdade, lhe darei meu próprio eu; a minha vontade se tornará a sua vontade.”

Os ídolos podem ser enquadrados em 4 categorias de pecado:

categoria Resultados – pecados
(1) Legalismo                                 Espírito crítico; intolerância; perfeccionismo; falta de alegria; ira
(2) Temor do homem                 Timidez; covardia; autoritarismo; medo de rejeição; controlado por pessoas
(3)  Cobiça                                       Inveja; lascívia; carnalidade; avareza; desejo por ter coisas
(4)  Arrogância                              Egoísmo; individualista; auto-suficiência; valorização do eu / meu

Podemos pensar na Nina e também em Caim – filho de Adão e Eva. Eles responderam negativamente quando confrontados por uma crise. As crises expõem o coração. Elas manifestam-se numa ou mais das 4 categorias.
Caim – (legalismo; cobiça) – inveja, ira, mágoa;
Nina – (arrogância; temor aos homens) – egoísmo; orgulho; perfeccionismo;

‘Quero que você pense na estultícia. A estultícia é a tentativa de viver foras do caminho de Deus; também é a tentativa de achar sabedoria longe da Palavra de Deus. Podemos comparar assim: tentar fazer um bolo na máquina de lavar. Desta maneira é o homem viver sabiamente longe de Deus. A estultícia está no coração do homem. Alguns exemplos de estultícia: um homem que tem sua esposa e filhos pode jogar tudo fora por trinta minutos de prazeres sexuais egoístas com uma outra mulher. O filho que deixa o trabalho de ciência para a última hora e vem ao pai às 10 horas da noite e diz: pai, tenho que entregar o trabalho de ciência amanhã. O pai sonolento, mas tentando ser amável faz algumas perguntas, até que: ah! Pai preciso de 5 pintinhos. Posso controlar minha vida e a vida das pessoas que dependem de mim.

A estultícia não é só um estado mental, mas também um estado do nosso ser’. (Paul Tripp)

A crise é uma boa oportunidade para refletirmos sobre nosso coração. É a mão de Deus que nos conduz a pergunta: O que eu quero realmente? Por quê? A crise revela a raiz dos frutos que apresentamos. Na verdade, o problema não está nas situações difíceis, desastrosas e duras e sim na reação que ele produz no coração. As atitudes do coração é o que importa. É nele que deve se iniciar as verdadeiras mudanças. Ou adoramos a Deus ou adoramos aos ídolos do coração. Nos os reguemos em nosso coração para nos proteger, nos ajudar, mas eles tomam o lugar de Deus. Buscamos lenha e sacrifícios para adorá-los. Assim, sob sua inspiração dedicamos e declaramos nosso amor. Nós nos tornamos naquilo que amamos.

Se o olhar – o foco é em mim mesmo a resposta será: auto-comiseração; mágoas; ira; orgulho. Assim agiu Caim. Ele focou seu desejo como necessidade. Caim se tornou naquilo que amava. Amou a arrogância, a inveja, a ira e tornou-se incrédulo, desobediente ao Deus criador e um assassino.
Lembre-se: muitos ídolos não são necessariamente algo mau ou ruim. Veja acerca dos ecemplos acima citados: o amor e o desejo da esposa; o respeito do chefe; conforto para mim e minha família; limpeza e ordem nas coisas. O problema não está em desejar tais coisas.

Se o olhar – o foco é Cristo, então somos levados à cruz e à Graça libertadora e perdoadora.
Nina, pela ajuda de uma irmã que estudava aconselhamento bíblico, foi confrontada pela Palavra com seus ídolos do coração. Após alguns encontros, Nina descobriu a libertação ao reconhecer seus pecados, confessá-los. Entendeu que ela os transformou em ídolos. Os ídolos do coração a escravizaram e lhe roubavam a alegria e a paz que Cristo lhe deu na cruz.

2ª orientação sobre o tema: Nós nos tornamos naquilo que amamos.

Instrua o seu amor. Romanos 8.29; 2ª Coríntios 3.18;
O propósito de Deus para seus filhos é conformá-los ao caráter de Cristo. O processo é descrito por Paulo em 2ª Co 3.18. A transformação é do ponto do domínio dos ídolos do coração para libertação e submissão ao controle de Cristo. É uma mudança do alvo, do objeto do nosso amor.

Vamos ao texto de 2ª Co 3.18:
A doutrina que percebemos é a da nossa união com Cristo. Em conjunto com Rm 8.29 e 2ª Pe 1.3 compreendemos que os atributos da natureza divina se fazem presentes na nossa vida. A união entre Cristo e o crente não gera este num deus.

Assim, como no texto base de nossa pregação em Pv 27.19, há uma contemplação no espelho. Paulo diz, que no espelho espiritual contemplamos a glória do Senhor. No espelho espiritual não vemos a nós mesmo. A razão é óbvia: somos pecadores em nossa natureza, débeis e fracos em nossas emoções e pensamentos. Vemos a Cristo – a glória de Deus. A glória do Senhor – tal como o sol que irradia seu calor ao rosto humano e nele impacta, visto que a pele humana absorve o calor e reflete a ação do sol. A glória de Deus quando contemplada pele crente atinge-o. Diferentemente de Moisés, a glória de Deus no crente não desvanece. Ela impacta e confere um grau ou estágio de glória. Assim entendemos, pois Paulo diz que a transformação se dá de glória em glória. É a penetração da glória de Deus na natureza humana. Ela dissipa as trevas e traz a luz de Cristo. O objetivo da transformação de glória em glória é a formação da imagem de Cristo no crente.

Nosso desafia de mudança é: amar a Cristo para ser transformado dia-a-dia na semelhança do Seu caráter. Se eu amo a Cristo vou me tornando naquilo que amo ou seja: Cristo vive em mim.

O que isto significa?
Nós podemos, por sermos habitados pelo E. Santo, de Cristo viver em nós, de desenvolver e viver os atributos comunicáveis de Deus. O alvo de Deus para o crente é: ser transformado segundo o caráter de Cristo.

Conclusão:
Vivemos numa cultura voltada para o eu. O homem é o centro. Precisa ser paparicado. A fascinação pelo culto ao ‘eu’ não está só nas academias de ginásticas. Encontramos em todos os lugares. E a igreja se deixou levar pela onda. Como diz David Wells – uma religião centrada no ‘eu’.

Observe a declaração de Cornélius Platinga: “a teologia se transforma em terapia; o interesse bíblico pela justiça é substituído pela busca da felicidade; a verdade substituída pelo sentir-se bem; a comunidade da fé se reduz ao círculo de amigos íntimos. Tudo se retrai até restar só ‘eu’.”

Após identificar os ídolos do coração, temos que substituí-los pelas virtudes de Cristo.

A mágoa substituída pela misericórdia;
A ira substituída pela paciência;
O orgulho substituído pela humildade;
O rancor, o ressentimento, o ódio substituído pelo amor, pela mansidão;
A vingança substituída pelo perdão.
A inveja substituída pela alegria e ações de graça…"

6 de novembro de 2010

Vida de estudante... quase fim.

E cada dia fica mais perto.
Tá chegando a hora em que pararei e falarei: pronto. é isso. o básico da vida. 
Todo mundo manda estudar e é o que a gente faz.

O tempo de estudante demora mais que muitas vidas, que muitos relacionamentos... você vê inícios e fins, nascimentos e mortes, novidades e obsolescência,  passa vergonha, briga, cresce, se apaixona mil vezes e tudo passa, mas você continua estudando.

Seria muito melhor se todas as coisas da nossa vida tivessem a importância que damos para os estudos.
Quando acordamos de repente sem querer estudar não falamos: Não quero mais, vou desistir, nunca mais vou estudar, apenas faltamos e voltamos depois, algum dia, nem sempre pq queremos, mas pelo compromisso com algo. Quando tiramos uma nota ruim, temos possiblidade de recuperar e pronto, passamos, aquilo nem estressa mais. Vamos passando de série, teoricamente aprendendo as coisas e praticando uma vez ou outra, ou sempre, sem mesmo perceber.

Não reclamo dessa época, sentirei saudades. 
O que farei depois? Trabalharei... Farei algumas coisas e ganharei por isso, bem ou mal...
E a emoção quando falam "não vai ter aula!" quando vou sentir?
"Trabalho pra semana que vem!" e reclamar "Aaaah, não dá tempo..."
Quando vou pode voar em uma aula e ficar rindo de coisas bestas?
E pagar meia entrada?

Pois é.. é durante o processo de vida de estudante que as coisas acontecem e que a gente vive. 
Ao entrar na universidade falei que a melhor época era a escola.
Agora que estou prestes a sair, já acho que é a universidade.

Concluo que a melhor época é aquela a qual você acaba de passar e que ainda não conhece.
ninguém sabe que algo é tão bom enquanto não vive aquilo.

Mas eu odeio mudanças. 
E tudo muda o tempo todo..

26 de outubro de 2010

"A mudança é a única constante...

...o modo como as pessoas tentam não mudar que não é natural. Como queremos que as coisas voltem, em vez de aceitarmos, como nos prendemos a velhas memórias, em vez de criarmos novas, o modo como insistimos em acreditar, apesar de todas as formas contrárias, de que algo nessa vida é permanente.
A mudança é constante.
Como experimentamos a mudança, depende de nós. Pode parecer a morte, ou uma segunda chance...
Se relaxarmos os dedos, nos desapegarmos, seguirmos em frente... pode ser adrenalina pura.
Como se a qualquer momentos tivéssemos uma nova chance. Como se a qualquer momento, pudessemos nascer de novo."

assisti o início da 7ª temporada de Grey's anatomy.
Adoro as falas no início e no final de cada episódio.
Uma salva de palmas pro roteirista. (batendo palmas)

25 de outubro de 2010

Resposta pra tudo

- Eu realmente não sei.

- O que?

- Não sei quando desistir.

- E porque desisitir?

- Porque todo mundo fala de persistência? porque todo mundo manda se esforçar e não desistir?

- Porque desistir é fraqueza, tem que lutar. Quem com um obstáculo desiste logo é fraco, nunca vai conseguir nada na vida, dificuldades fazem parte...
- Eu sei. Eu sei disso... Mas quando sei que é hora de desistir, que não adianta mais persistir, que não vai dá em nada e só será tempo perdido? Todo mundo encara desistir de algo como fraqueza, porque desistir não pode ser considerado, em certos momento, como força e sabedoria ? Ninguém quer desistir!  O que leva alguém a desistir de algo que quer muito e deseja persistir com todas as forças mas que simplesmente não terá efeito, será tempo perdido e será teimosia em vez de persistência? Isso não é fraqueza.

- Não dá pra saber se algo vai dar certo caso persista, mas é o primeiro passo. você tem que fazer a sua parte, persistir, e pensar que no que dependeu de você, não desisitu. As coisas vão se revelando e alguma hora vai saber o que tem que fazer. É questão de tempo, fé e vontade de Deus.

- Já percebeu?
- o que?

- No final, tudo se explica com o tempo, a fé, a vontade de Deus ou tudo junto. Nada  realmente depende da gente.

13 de outubro de 2010

Engano

Não era bem o que eu queria, por isso eu quis querer, porque sempre estou enganada.
E exatamente por isso, eu quis o que não era pra querer e me enganei.

 entende isso.

8 de outubro de 2010

Tradição

Não quero falar nada. Já cansei. Vou deixar que esse texto fale por mim.


"O ferreiro apanha uma ferramenta e trabalha com ela nas brasas; modela um ídolo com martelos, forja-o com a força do braço. Ele sente fome e perde a força; passa sede e desfalece. O carpinteiro mede a madeira com uma linha e faz um esboço com um traçador; ele o modela toscamente com formões e o marca com compassos. Ele o faz na forma de homem, de homem em toda a sua beleza, para que habite num santuário.
Ele derruba cedros, ou talvez apanhe um cipreste, ou ainda um carvalho. Ele o deixou crescer entre as árvores da floresta, ou plantou um pinheiro, e a chuva o fez crescer. É combustível usado para queimar; um pouco disso ele apanha e se aquece, acende um fogo e assa um pão. Mas também modela um deus e o adora; faz uma imagem e se encurva diante dela. Metade da madeira, ele a queima no fogo; sobre ela ele prepara sua refeição, assa a carne e come sua porção. Ele também se aquece e diz: "Ah! Estou aquecido; estou vendo o fogo". Do restante ele faz um deus, seu ídolo; inclina-se diante dele e o adora. Ora a ele e diz: "Salva-me; tu és meu deus". Eles nada sabem, nada entendem; seus olhos estão tapados, não conseguem ver, e suas mentes estão fechadas, não conseguem entender. Ninguém pára para pensar, ninguém tem o conhecimento ou o entendimento para dizer: "Metade dela usei como combustível; até mesmo assei pão sobre suas brasas, assei carne e comi. Faria eu algo repugnante com o que sobrou? Iria eu ajoelhar-me diante de um pedaço de madeira?". Ele se alimenta de cinzas, um coração iludido o desvia; ele é incapaz de salvar a si mesmo ou de dizer: "Esta coisa na minha mão direita não é uma mentira? " .
Como se fossem uma nuvem, varri para longe suas ofensas; como se fossem a neblina da manhã, os seus pecados. Volte para mim, pois eu o resgatei. 

Assim diz o Senhor, o seu redentor, que o formou no ventre: Eu sou o Senhor, que fiz todas as coisas, que sozinho estendi os céus, que espalhei a terra por mim mesmo.

Eu sou o primeiro e eu sou o último; além de mim não há Deus. Quem então é como eu? Que ele o anuncie, que ele declare e exponha diante de mim o que aconteceu desde que estabeleci meu antigo povo, e o que ainda está para vir; que todos eles predigam as coisas futuras e o que irá acontecer. Não tremam, nem tenham medo. Não anunciei isto e não o predisse muito tempo atrás? Vocês são minhas testemunhas. Há outro Deus além de mim? Não, não existe nenhuma outra Rocha; não conheço nenhuma. 
(Isaías 44)

No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura.  (João 4:23)

1 de outubro de 2010

No escuro e vendo*

Meus sofrimentos são pequenos e ridículos comparado ao dele, mas mesmo assim me fazem indagá-lo. Aí ele fica quieto, mandando eu esperar por tudo, é como se eu tivesse acabado de entrar num quanto escuro e ele pedisse pra eu esperar que a visão vai acostumar e eu vou começar a pelo menos identificar as coisas, aí ele vai dando dicas ao que eu lhe pedia e vai apontando cada objeto  eu vou dizendo o que parece. Ele acha isso divertido, no início achei uma chatice e queria pegar uma vela, ele escondeu todas, e fiquei enchendo o saco pedindo pra ele me tirar dali, mas ele me diz que se não me colocasse naquele quarto e não "brincasse" dessa forma comigo eu nunca ia perceber as coisas ao meu redor, e ele queria muito ter um tempo comigo.

Mas tem aquele objeto que é o que mais to tendo dificuldade de identificar.. tá se confundindo com outros objetos ao redor. Aaaah, mas isso vai ser a primeira coisa que eu vou olhar quando a luz for ligada.


*Nem tem muito a ver com a música do frejat


23 de setembro de 2010

Cadáveres no chão

- Senhor, Deus dos nossos antepassados, não és tu o Deus que está nos céus? Tu governas sobre todos os reinos do mundo. Força e poder estão em tuas mãos, e ninguém pode opor-se a ti. Não és tu o nosso Deus, que expulsaste os habitantes desta terra perante Israel, teu povo, e a deste para sempre aos descendentes de teu amigo Abraão? Eles a têm habitado e nela construíram um santuário em honra do teu nome, dizendo: ‘Se alguma desgraça nos atingir, seja o castigo da espada, seja a peste, seja a fome, nós nos colocaremos em tua presença diante deste templo, pois ele leva o teu nome, e clamaremos a ti em nossa angústia, e tu nos ouvirás e nos salvarás’. "Mas agora, aí estão amonitas, moabitas e habitantes dos montes de Seir, cujos territórios não permitiste que Israel invadisse quando vinha do Egito; por isso os israelitas se desviaram deles e não os destruíram. Vê agora como estão nos retribuindo, ao virem expulsar-nos da terra que nos deste por herança. Ó nosso Deus, não irás tu julgá-los? Pois não temos força para enfrentar esse exército imenso que está nos atacando. Não sabemos o que fazer, mas os nossos olhos se voltam para ti.

- Não tenham medo nem fiquem desanimados por causa desse exército enorme. Pois a batalha não é de vocês, mas de Deus. Amanhã, desçam contra eles. Eles virão pela subida de Ziz, e vocês os encontrarão no fim do vale, em frente do deserto de Jeruel. Vocês não precisarão lutar nessa batalha. Tomem suas posições; permaneçam firmes e vejam o livramento que o Senhor lhes dará, ó Judá, ó Jerusalém. Não tenham medo nem se desanimem. Saiam para enfrentá-los amanhã, e o Senhor estará com vocês’ ".

Josafá prostrou-se, rosto em terra, e todo o povo de Judá e de Jerusalém prostrou-se em adoração perante o Senhor. Então os levitas descendentes dos coatitas e dos coreítas levantaram-se e louvaram o Senhor, o Deus de Israel, em alta voz.

Quando começaram a cantar e a entoar louvores, o Senhor preparou emboscadas contra os homens de Amom, de Moabe e dos montes de Seir que estavam invadindo Judá, e eles foram derrotados. 
Os amonitas e os moabitas atacaram os dos montes de Seir para destruí-los e aniquilá-los. Depois de massacrarem os homens de Seir, destruiram-se uns aos outros. Quando os homens de Judá foram para o lugar de onde se avista o deserto e olharam para o imenso exército, viram somente cadáveres no chão; ninguém havia escapado.  
(2 Crônicas 20) 

Quando reconhecemos o que somos e nos voltamos a Deus, mostrando nossa fraqueza, reconhecendo seu poder e nos prostramos em adoração a Ele, se assim for da Sua vontade, tudo o que parece ser impossível e mais forte que a gente se reduzirá a "cadáveres no chão."


17 de setembro de 2010

O que me interessa

Daqui desse momento, do meu olhar pra fora, o mundo é só miragem.
A sombra do futuro, a sobra do passado, assombram a paisagem.
Quem vai virar o jogo e transformar a perda em nossa recompensa?
Quando eu olhar pro lado eu quero estar cercado só de quem me interessa.

Às vezes é um instante, a tarde faz silêncio, o vento sopra a meu favor.
Às vezes eu pressinto e é como uma saudade de um tempo que ainda não passou.
Me traz o seu sossego, atrasa o meu relógio, acalma a minha pressa.
Me dá sua palavra, sussurra em meu ouvido só o que me interessa.
(Lenine)
 
Entende-se esse "só o que me interessa", como o que realmente  importa que eu faça, pro que fui criada, o porque de estar aqui. =]

Afinal, não quero viver à toa.

Isso. Eu particularizo todas as músicas pra minha situação. E daí?

13 de setembro de 2010

Compreender a marcha*

O meu maior desafio, talvez erro, é não saber o tempo de nada. Ou eu fico parada e espero demais ou eu ando rápido e me apresso muito.
Não é algo consciente, só consigo saber depois que eu esperei e esperei, ou que eu me apressei, e me apressei.
Na hora acredito estar sempre no tempo certo.

Mas entre a espera e a pressa, (ou precipitação) prefiro a espera.
Precipitar-se é perder a chance de fazer algo melhor.
Sabe quando algo é bom e você tem pressa em tornar melhor?
Pois é. 
É melhor continuar com o bom a apressar-se pensando melhorar e fazer exatamente ao contrário e perder até o bom que tinha.

Eu tenho a paciência necessária pra ficar parada e esperar, mas quando olho para os outros e vejo todos na pressa, penso que não possuem a mesma paciência que eu, aí eu me apresso porque acredito estar ficando pra trás. Talvez eu deva pensar mais em mim aqui e realmente falar um "que se dane" para os outros e dizer "eu tenho o meu tempo e ele não tem pressa", até porque já percebi que quando eu deixo de lado o meu tempo, e tendo me adequar ao tempo dos outros, acabo por um tempinho pensando estar no tempo certo ao abrir mão do meu tempo, mas quando passa um tempo, vejo que me ferrei, isso já é constante, porque não aprendo?

Desculpe outros, mas vou ficar esperando, não vou deixar que ninguém mais me apresse.
E se quiser me acompanhar, mas se quiser mesmo, para um pouco e espera por mim, eu posso não ter pressa, parecer andar devagar, mas eu sei muito bem pra onde estou andando.


*Música: Tocando em frente

7 de setembro de 2010

Corre negaaada!*

Sabe, você pra mim é tipo o Dick Vigarista da Corrida Maluca. Tipo, sempre passa na frente de todo mundo pra trapacear e não deixar ninguém chegar em primeiro. Mas se ele já passou na frente de todo mundo,ele já ta em primeiro.Por que ele simplesmente não ganha a corrida? Você me entende?
(Apenas o fim.)
Eu tava pensando aqui...  na bíblia muitas vezes há uma comparação da vida (cristã) com uma corrida. Onde diz que todos correm, mas um só vai levar o prêmio e devemos então correr de maneira que nós sejamos este que alcança o prêmio. Mas claro que não é correr como o Dick vigarista, pra trapacear, no caso dele simplesmente por prazer,  os pés que se apressam só para fazer o mal, não é assim, e também não é correr por egoísmo só pra ganhar, é correr com propósito. Até porque, assim como pra um atleta, não há como ser considerado vencedor se não competir de acordo com as regras. Mas não dá pra simplesmente achar que isso é uma fórmula, nós podemos ser velozes, e estar nas regras, mas o tempo pode mudar, as circunstâncias mudam e nem sempre ganharemos. Mas nós devemos ser que nem os outros competidores da corrida maluca, tentar nos livrar de tudo o que nos atrapalha e continuar correndo, com perseverança.
E no final poder então dizer:  e num é que eu realmente ganhei a corridaaaa ?!

*Título veio do vídeo Hermanoteu. huHAuhsAUHSU. Assiste de novo, q todo mundo já viu isso.

4 de setembro de 2010

Tem?

E eu olho como se eu quissesse descobrir algo, como se eu pudesse prever alguma coisa, olhando e encarando, pois sei que tem algo. Sou bem desatenta, mas quando quero observar, eu vejo detalhes.
São tantos risos escandalosos e abraços modestos que fico imaginando o que tem ali que não tem aqui comigo.

E fico pesando nas tardes que eram minhas e agora não são, nestas tardes tão vazias de tudo e que antes pareciam tão preenchidas. Tarde cinzentas... enquanto do outro lado está tudo se colorindo.

aaaah.coisas coloridas, alegres, dançantes e saltitantes nunca me pareceram tão chatas.

1 de setembro de 2010

Desacostumar

Esse ano me mostrou que é algo mais ou menos definido como " ir sozinha pra casa." 
Mas depois de um certo tempo você se acostuma. E ir sozinha já é rotina, mesmo que seja acompanhada.

O ruim é que na maioria das vezes se desacostumar é deixar algo bom e voltar a normalidade, e eu já me desacostumei, e isso me agonia profudamente pois não consigo mais me ver acostumada a algo, pois logo vem na minha cabeça que terei que me desacostumar, e eu não quero mais esse processo.

Mais da metade do ano já passou, e eu tinha tantos planos...
Ainda tenho, mas na minha lista de finalidades não consegui nem a metade. E eu comecei tão bem!

Em janeiro tive que me acostumar a tentar me acostumar com coisas que não eram do meu costume, foi assim em fevereiro também, com uma alegria infinita em sair do meu normal, em março já estava acostumada, em abril viciada, e em maio, despedaçada. Em junho o costume me matava, em julho fiquei mais concentrada em em agosto, enfim, conformada.

Setembro começando e em setembro já entro em clima de final de ano.
Fico torcendo pra não ter que me acostumar com outras coisas por consequência desse desacostume, to conformada sim, não totalmente desprendida.
Tudo bem que odeio rotina, mas ela dá uma certa segurança.

Tá bom como tá, mesmo que não esteja tudo realmente bom. Não quero nenhuma surpresa negativa pela frente, mesmo que isso seja bem provável.

Neste ano apostei todas as minhas fichas: 2010 será O ano!
Estava acostumada com anos "quase" e não queria mais isso. Fiz um post aqui.
Então, 2010, você tem apenas 4 meses pra mostrar se vai ser mesmo.

30 de agosto de 2010

Ridícula, burra, mas legal.

Uma vez me disseram que eu sou bonita e inteligente. Adorei ouvir isso, claro, mas esperei ouvir um "mas".
Tipo: "Tu és bonita e inteligente mas sei lá, é sem graça". Eu espero coisas do tipo, porque de vez em quando algumas pessoas falam coisas assim... de graça pra mim, nem peço.

Uma pessoa falar isso de repente, né? Teria que ter um "mas". Mas não teve, na verdade foi algo mais ou menos assim: "És uma menina, bonita e inteligente, tu sabes disso... (aí eu concordei com um "aham" só pq eu não sei receber elogios e pra não ficar sem jeito tenho q concordar absolutamente ou discordar totalmente, dependendo do meu humor no momento, e é isso mesmo, extremos) e isso dá até pra superar a tua chatice".
Nem foram essas palavras, mas foi por aí.

Eu ri e perguntei se eu sou tão chata assim e disseram que sim, mas é porque eu tenho meus momentos de não tá afim de nada, de não querer falar, de não querer ouvir, mas é só aprender a conviver com isso, a pessoa falou mais coisas mas nessa hora eu comecei a voar.


(Queria saber porque sou chata.
Sinceramente, se eu fosse minha amiga eu ia me achar legal.
Porque eu acho algumas pessoas super legais muito chatas.
Deve ser por isso que sou chata, pq não acho algumas coisas legais, legais.)


Aí depois eu disse: "Então eu queria ser ridícula e burra, e ser legal".
E expliquei mais ou menos assim: "A vida é mais fácil pra pessoas ridículas e burras que são legais. Parece que tem mais verdade na vida delas e as pessoas que as cercam são mais sinceras. Por exemplo, em um relacionamento, pra alguém gostar de uma pessoa ridícula e burra, mesmo que seja legal, tem que tem muito amor no meio. Então eu queria ser ridícula, burra e legal e ter isso a ser bonita e inteligente, chata, e não ter isso.


Aí ouvi um "Pior né?" E comi uma esfirra.


p.s: nem foram totalmente essas palavras, mas o post é meu.

27 de agosto de 2010

Parasita

A bondade, por assim dizer, é ela mesma, ao passo que a maldade é apenas o Bem pervertido.
Para ser mau, ele tem de querer algo de bom e buscá-lo da forma errada: tem de ter impulsos originariamente bons para depois pervertê-los.
Você começa a perceber agora por que o cristianismo sempre disse que o diabo é um anjo caído? 
Isto não é apenas uma historieta para crianças. E o reconhecimento real do fato de que o Mal é um parasita, não um ente original. As forças que fazem com que o Mal possa subsistir foram dadas pelo Bem. Todas as coisas que propiciam que um homem mau seja efetivamente mau são, em si mesmas, qualidades: resolução, esperteza, boa aparência, a própria existência. E por causa disso que o dualismo, a rigor, não funciona.
Um território ocupado pelo inimigo — assim é este mundo.

[...]
No momento em que possuímos um ego, temos a possibilidade de nos colocar em primeiro lugar - de querer ser o centro de tudo — de querer, na verdade, ser Deus. Esse foi o pecado de Satanás, e foi esse o pecado que ele ensinou à raça humana. 
Deus não pode nos dar uma paz e uma felicidade distintas dele mesmo, porque fora dele elas não se encontram. Tal coisa não existe.

[...]
Para conhecer a intensidade do vento, temos de andar contra ele, e não deitar no chão. 
Um homem que cede à tentação em cinco minutos não tem a menor idéia de como ela seria uma hora depois. Por esse motivo, as pessoas más, em certo sentido, sabem muito pouco a respeito da maldade. Na medida em que sempre se rendem, levam uma vida protegida. É impossível conhecer a força do mal que se esconde em nós até o momento em que decidimos enfrentá-lo; e Cristo, por ter sido o único homem que nunca caiu em tentação, é também o único que conhece a tentação em sua plenitude - o mais realista de todos os homens.

[...]
o que importa para Deus não são nossas ações enquanto tais. O que lhe importa é que sejamos criaturas de determinado tipo ou qualidade — o tipo de criaturas que Ele tencionava que fôssemos quando nos criou -, vinculadas a ele de uma determinada maneira. Não acrescento "e vinculados uns aos outros", porque isso é uma conseqüência natural. Se você tem a atitude correta diante de Deus, inevitavelmente terá a atitude correta diante do próximo, da mesma forma que, quando os raios de uma roda estão bem encaixados no cubo e no aro, inevitavelmente guardam as distâncias corretas entre si.

C.S. Lewis

25 de agosto de 2010

"sem motivos" motivantes

E-mail:

"[...] És meio que um enigma pra mim... Digo isso pois a gente nunca foi lá tãoooo próximos assim, concorda? Nunca tivemos tanta proximidade, amizade, cumplicidade... Essas coisas que temos muito mais com outras pessoas. Não sei muito de ti, da tua vida, dos teus dias. Não compartilho quase nada, na verdade.
Mas isso nunca foi problema e tenho um carinho tão enorme por ti de qualquer forma!!! E sei que sabes disso. Tu sabes né? rsrsrs
[...]
Sinto que estás passando por um momento muito intenso... Muitas coisas importantes e decisivas. Ainda vejo aquela menina em ti, mas ao mesmo tempo te vejo madura. A vida nos faz isso! E depende muito de nós, de como encaramos as provas e lições. Das decisões que tomamos, de como seguir... Do nível de compreensão que atingimos a cada momento.
Coisa Linda, em ti tens a força, a luz e a sabedoria necessária para seguir em frente, cada vez mais fortalecida... Principalmente porque tens a Deus!
Te admiro muito! Pra mim és transparente (e não estou falando da tua alvura rsrs brincadeira). Eu te olho e vejo luz, força, doçura em tudo que és... Tudo isso aflora em olhares, sorrisos, atos e palavras, na voz... TUDO!!!
És ILUMINADA, ÚNICA e além de tudo és tão LINDA de tudo!!! Como pode?
Enfim, tive vontade de te escrever essas coisas só pra lembrar do que já sabes que te dedico..."

Resposta:

Oi! =]

[...]
Eu me acho meio estranha, eu gosto das pessoas, claro, tenho sentimentos, mas nem sempre eu sei demonstrar isso, (e eu queria) aí parece que eu não to nem aí.
Então eu quero dizer, pra que saibas, que eu gosto de ti, tenho um carinho enorme, queria me aproximar, saber mais, conversar sobre muuuuitas coisas, queria mesmo! QUERIA não... quero. huhu

Eu sou difícil de se saber algo e de confiar coisas, de fazer amizades e tal, minhas maiores amizades são de pessoas que eu cresci junto porque são de pessoas que eu cresci junto! xD 
Eu confio. Eu convivi. Eu posso dizer que conheço. E não tenho medo delas.
As vezes sou muito crítica e como as pessoas mentem muito eu sou muito desconfiada.
Mas eu perco coisas e pessoas com isso.

Eu to num momento intenso mesmo. De reconfirmar tudo o que penso, acredito e quero.
Fico feliz por tantos elogios que me deixam besta, e me fazem pensar: aaah, eu nem sou assim.
Não me acho doce, não tenho tanta força assim, e as vezes minha luz tá toda apagada. Eu por mim mesma, não tenho nada de bom, mas uma coisa é verdade, eu tenho a Deus, aaah, isso daí é a melhor coisa. 
Talvez quando eu tire meus olhos Dele que eu desande, mas eu sempre tento não tirar.

Muito obrigada, eu agradeço de coração pelas palavras, que iluminaram meu dia.

Resposta da resposta

"Eu não me acho estranho... Eu me SEI estranho! Ao menos pros "padrões". Não sou de estar na casa de ninguém ou na rua. E sou grato por frequentares a única casa que frequento. Já acreditei ter muitos amigos e hoje sei que amigos de verdade são aqueles que podemos chamar de irmãos e que nos consideram assim também...  
[...]
O mais delicado é falar das coisas da alma... Vejo que isso tem pouco valor para a maioria e muita gente acha até enfadonho falar dessas coisas. Com isso, fico sem assunto entre muita gente. Não sei falar apenas de "amenidades".
 
Resposta da resposta da resposta

[...]

"Coisas da alma" são as que mais me interessam. Afinal, o corpo passa. E eu gosto de dar valor pra coisas eternas.

23 de agosto de 2010

Tempos e modos

Meu pretérito mais que perfeito e meu pretérito perfeito (que de perfeito não tiveram nada) se encontraram.

Se o futuro do pretérito quisesse ser o futuro do presente eu faria dele um futuro perfeito, mesmo que a construção forme um pretérito imperfeito. Até porque futuro perfeito não existe neste país, (e se existe eu desconheço) e isso nem é pessimismo, é gramática.

Mas isso tudo não indica nada, até porque a gramática diz que não posso mandar em mim, só em ti, nos outros e em nós. E isso é um absurdo de mentira.


Quer saber? Eu me enrolei. Mas no fundo, no fundo, tem lógica.

18 de agosto de 2010

Eu não preciso

Eu não preciso acordar com falas sobre mim.
Mas escutei calada como se nem tivesse acordada, só pra ver até onde ia. 
Ás 10 horas da manhã eu tenho forças pra escutar o que não quero, mas as 6 horas eu não tenho. 

Minha fase de chorar por raiva já passou, minha fase de não chorar também, agora eu só choro, quando eu quero, de tristeza mesmo.

É que eu não entendo como alguém pode pedir perdão pra alguém que não vê enquanto tem alguém esperando um perdão do lado. Aí eu acho muito confuso ouvir um "eu te amo" depois de tantas palavras jogadas descuidadosamente. Confusões sempre me entristecem e tiram as forças, que eu nem tinha.

17 de agosto de 2010

Sabem mais do que a gente

"Amor é quando alguém te magoa, e você, mesmo muito magoado, não grita, porque sabe que isso fere seus sentimentos" - Mathew, 6 anos

"Quando minha avó pegou artrite, ela não podia se debruçar para pintar as unhas dos dedos do pé. Meu avô, desde então, pinta as unha para ela. Mesmo quando ele tem artrite" - Rebecca, 8 anos

"Quando alguém te ama, a forma de falar seu nome é diferente" - Billy, 4 anos

"Amor é quando você sai para comer e oferece suas batatinhas fritas, sem esperar que a outra pessoa te ofereça as batatinhas dela" - Chrissy, 6 anos

"Amor é quando minha mãe faz café para o meu pai e toma um gole antes, apra ter certeza que está do gosto dele" - Danny, 6 anos

"Se você quer aprender a amar melhor, você deve começar com um amigo que você não gosta. - Nikka 6 anos.

"Quando você fala para alguém algo ruim sobre você mesmo e sente medo que essa pessoa não venha a te amar por causa disso, aí você se surpreende, já que não só continuam te amando, como agora te amam mais ainda" - Samantha , 7 anos

"Há dois tipos de amor, o nosso amor e o amor de deus, mas o amor de deus junta os dois" - Jenny, 4 anos

"Amor é quando mamãe vê o papai suado e mal cheiroso e ainda fala que ele é mais bonito que o Robert Redford" - Chris, 8 anos

"Durante minha apresentação de piano, eu vi meu pai na platéia me acenando e sorrindo. Era a única pessoa fazendo isso e eu não sentia medo" - Cindy, 8 anos

"Deus poderia ter dito palavras mágicas para que os pregos caíssem do crucifixo, mas ele não disse isso. 
Isso é amor" - Max, 5 anos".

Como diria renato Russo: Não sou mais tão criança a ponto de saber tudo.



Veja o Jô citando essas e mais outras definições legais que não estão aí no texto, no programa dele =]



11 de agosto de 2010

"Agora são duas crianças em casa"



ela nem curtiu fazer meu filme de luta então eu não quis acertar nada na aula de coreografia.

10 de agosto de 2010

O que os olhos não vêem...

o coração sente.

É. Ao contrário mesmo.
Porque o "não saber" é muito mais agoniante.
Tão agoniante quanto vê o que não sabe.

"Não" é muito melhor que um "Sim" sem verdade;

e "Não quero" dói menos que um "não quero mais".

6 de agosto de 2010

"o que deveria dizer, se só sei o que sinto? "

Pego textos de outras pessoas pra falar do que quero. Parece mais impessoal. Mas diz tudo.
Porque os meus textos mesmos dizem coisas demais mas só podem estar dentro de uma caixinha que só eu tenho acesso.

(Seleção de textos da Tati Bernardi - Sim. Li quase todos do site dela. hUAhUASHu. Tenho o que fazer sim, mas não quero.)

"Meu amor é a cadeira com pé quebrado que tiraram do salão antes que alguém se machucasse. Então me recuso a sentar em outras e vivo entre o cansaço e o medo de cair de mim mesma.
Sempre me apaixono depois que acaba a paixão. Só assim sei amar. E então te carrego no peito e em tudo, ao ir sozinha ou mal acompanhada ao cinema. E então janto com você e como bem e até bebo. E passamos sem perceber uma vida inteira. Só porque agora você se foi, é que sinto que você chegou de verdade. E é com você que vou até a esquina e o fim do mundo, porque posso tudo agora. Agora que não posso nada.
É sempre na falta que vivo. É sempre em cima da altura que não tenho que olho o mundo. E das coisas que eu não sei que falo melhor. E dos sentimentos que eu não poderia sentir que me abasteço pra ser alguma coisa além do que me faz mais uma.
É de onde não se pode estar que tenho saudades. É para o lugar do qual fugi que vou quando corro. É no lugar insuportável que fico quando descanso de algo que não aguentei. É na falta que vivo. O tempo todo sendo a mulher pra você que nem você quer. O tempo todo sendo a mulher que você não vê mais e só por isso, agora, te vejo o tempo todo. É te amando tão infinitamente que me liberto de gostar pelo menos um pouco de você.
É do meu auge que caio feio. Na paz de fechar um arquivo que volto a pensar na página em branco e em tudo que não sou capaz.

Quando eu não parecia te ouvir, eu estava ouvindo suas milhares de vozes e tentando dar conta de gostar de tanta gente diferente que era gostar de você.
E se não tem ninguém pra chegar é aí que verdadeiramente espero.

Você merecia ser amado assim, do jeito que acaba pra começar. Uma covardia só pra quem aguenta firme. Sempre no oco me preencho tanto que explodo. É no nada que está tudo aqui.
E vai começar tudo de novo só porque acabou.

Disse pra mim. Nenhum pio. Não vou falar nada. Já que sou tão imprópria, inadequada, boba. 
Já que nunca basto e se tento me excedo. Já que não sei o que deveria ou exagero em querer saber o que não devo. Nunca entendo exatamente, nunca chego lá, nunca sou verdadeiramente aceita pela exigência propositalmente inalcançável. Meu riso incomoda. Meu choro mais ainda. Minha ajuda é pouca. Minha saudade é prisão. Minha preocupação chatice. Minha insegurança problema meu. Meu amor é demais. Minhas críticas causam coisas terríveis. Minhas palavras cuidadas incomodam. Minhas palavras jogadas, mais ainda. Minhas opiniões sempre se alongam e cansam. Minha construção, desconstrói. Meus convites quase nunca agradam. Meus pedidos sempre desagradam. Meu bombardeio de coisas sempre acaba em guerra. Minha paz que viria depois nunca chega, pois eu nunca chego. Minha voz doce assusta. Minha voz brincalhona é ridícula. Minha voz séria alarde. 
Nenhum pio. Disse pra mim. Falar do que sinto é, na hora, desintegrar com seu olhar. Então fico me perguntando sobre o que deveria dizer, se só sei o que sinto.
Meus sonhos evito falar, um medo de ser menina. Quieta. 
Se começo preciso terminar. Mas quando termino, ele já não está mais. S
Se não explico, pareço louca. Se explico, sou louca. Quieta. Isso! Você consegue! Se for o que eu penso, eu penso errado. Se for o que eu não penso, errei por não pensar. Se não for nada disso, eu que pensasse antes. Se estou animada, cuidado com a rasteira. Se estou desanimada, não tem mão pra levantar. Nada. Não vou sussurrar. Nem gemer. Nenhum som. Respiração muda. O silêncio absoluto. Olhando pra ele. Lembrando de quando ele me disse que é no silêncio que se sabe a verdade. E a verdade chega como um teto gigante que desaba numa cabecinha de vento. O que eu mais temia.

O “acabou” sempre chega ou chegou como se eu jamais tivesse parado pra pensar nele. Cruel, terrível e doloroso além de mim.
O último dia em qualquer coisa que tenha durado tempo suficiente pra me fazer dormir sorrindo com o dia seguinte.

Sou uma carta gigante, chata, cheia de erros, longa demais, muito complicada. “Chega”, alguém, com preguiça de ler sobre o amor ou sem coração para se emocionar com uma carta, disse. E eu virei bolinha de papel.
Eu sou uma bolha de detergente, cansei de exterminar os restos e limpar as sujeiras e saí para voar um pouco. Só não fui avisada de minha fragilidade e estourei,

Eu sei que sou pesada, triste, dramática, neurótica, louca, insatisfeita, mimada, carente. Mas você se esqueceu da minha maior qualidade: eu sou só.
Eu tinha visto na sua solidão uma excelente amiga para a minha solidão. Achei que elas pudessem sofrer juntas, enquanto a gente se divertia.

Eu detesto seu riso alto e forçado pisoteando o meu mundo de sombras, eu detesto você saindo pela porta e as paredes se fechando, se fechando, e eu sem poder berrar: para, pelo amor de Deus, você me resgatar, e me colocar no colo, e me dizer que você me entende e sofre também.

Queria te contar que descobri porque te tratei mal da última vez. É que o raio da blusa cinza furada te deixa tão bonito e eu tenho mania de chorar quando acho alguma coisa muito bonita. E pra não chorar eu trato mal. A vida me emociona o tempo todo mas se eu ficasse chorando, quem ia pagar minhas contas e quem ia me querer cheia de olheiras? Então eu corro. Me dá de novo a vontade de ir embora. Eu to sempre indo embora mas aí vai um super clichê...: é de tanto que eu só queria ficar.

Eu endureço e esqueço o resto das coisas, porque quero ficar toda inteira pra quando você me quiser de volta.
Tenho medo do vento que passa arrancando partes de mim e das pessoas que me envenenam, matando partes de mim. Não quero ouvir ninguém, não quero saber de nada, não quero sentir nada.

Imagine se, por causa daquele longo adeus que eu dei e que nunca mais acabou, porque o adeus definitivo dói demais, você volta e me encontra sem as mãos? Imagine se você me encontra sem joelhos porque resolvi contar a Deus o quanto ainda confundo amor com escravidão?

E eu acho uma traição sair por aí dando pedaços do meu pulmão para ares mais leves, pedaços do meu coração para risos mais despretenciosos...

Eu sei que as ruas vão continuar com seus lixos, seus cinzas e suas possibilidades de destino. Eu sei que a poeira vai continuar dançando em volta do meu lustre enquanto eu tento me concentrar em duas ou três frases de um livro qualquer.

Nada muda no mundo quando você não caminha ao meu lado, as pessoas quase não percebem que falta metade do meu corpo e que eu não posso ser muito simpática porque toda a minha energia está concentrada para eu não tombar.

Amor não se pede, é uma pena. É uma pena correr com pulinhos enganados de felicidade e levar uma rasteira. É uma pena ter o coração inchado de amar sozinha, olhos inchados de amar sozinha. Um semblante altista de quem constrói sozinho sonhos. Mas você não pode, não, eu sei que dá vontade, mas não dá pra ligar pro desgraçado e dizer: ei, tô sofrendo aqui, vamos parar com essa estupidez de não me amar e vir logo resolver meu problema? Mas amor, minha querida, não se pede, dá raiva, eu sei.

E de escolhas e de perdas é feita a nossa história. Não há nada que se possa fazer a não ser carregar por um tempo um peso sufocante de impotência. Da vida que te confunde tanto que você quer se afastar de tudo para entendê-la de fora. Da vida que te humilha tanto que você quer se ajoelhar numa igreja. Da vida que te
emociona tanto que você não quer pensar. Da vida que te dá um tapa na cara pra você acordar e não tem ninguém pra cuidar do machucado e dizer que vai ficar tudo bem. Da vida que te engana.

É triste amar tanto e tanto amor não ter proveito. Tanto amor querendo fazer alguém feliz. Tanto amor querendo escrever uma história, mas só escrevendo este texto amargurado. É triste saber que falta alguma coisa e saber que não dá pra comprar, substituir, esquecer, implorar. É triste lembrar como eu ria com ele. Mas amor, você sabe, amor não se pede. Amor se declara: sabe de uma coisa? Ele sabe, ele sabe."

5 de agosto de 2010

Senhor,

há muito tempo digo que te conheço.
Quando ainda era uma criança, levantei a mão quando me falaram de um tal de Jesus.
Cresci mais um pouco, mas ainda não te tinha. E ainda na infância, quando olhava a mim e aos teus e ainda não me via como um, orei a ti pra que morasses em mim. Ali foi onde tive certeza que ficarias comigo e que tinhas realmente me retirado, separado e escolhido.
Ainda na infância, demonstrei aos outros, simbolicamente, que tinha feito isso, e que tinha "morrido pro mundo".

A partir daí Senhor, continuei a viver, ainda como uma criança, eu era uma, sabia o que tinha feito, mas não sabia as consequências disso. Deve ser por isso que dizes pra que deixem as crianças irem a Ti, porque elas vão simplesmente por amor, por resconhecimento simples da Verdade, sem pensar em si e nas suas ambições egoístas, com pureza de coração, acreditando em tudo o que é sobrenatural e mesmo assim parece não deixar dúvidas.

Estou crescendo contigo a minha vida toda e tenho conversado contigo a minha vida toda.
Tenho buscando aprender de Ti a minha vida toda, e tenho lutado contra a minha vontade a minha vida toda, e nem sempre querendo fazer isso, quase nunca pra te ser sincera, as vezes fazendo a minha vontade por não querer esperar por ti...Tenho pecado a minha vida toda.

Tu sabes de tudo isso, e tudo que eu não quero falar a ti, tu sabes, então nada que eu faça vai ser oculto.
E, as vezes, nem quero falar contigo, e faço questão de te falar isso, e tu sabes que é porque tu mais ouves do que falas comigo, nem sempre me respondendo, e quando me respondes, eu entendo errado, então como já te falei, parece que não vale a pena falar contigo. Como tu conheces meu coração, sabes disso.

Te seguir é a coisa mais difícil do mundo, pois o mundo é contrário a Ti. Eu ainda não entendo como pode alguém dizer que é só te aceitar que não vai sofrer, porque falam essa mentira? Será que não lêem a tua Palavra? Porque lá não vi ninguém feliz da vida e próspero a todo tempo, ao contrário, são aflitos, entristecidos, que tiveram alegrias e logo depois tristezas profundas e que tiveram tristezas profundas e logo depois, alegrias. O sofrimento sempre tá presente. Tu mesmo Senhor, experimentastes este lugar e sabes.

Sei que parece que não estou agradecida pela salvação que me destes, mas tu sabes... é que a eternidade parece tão distante aqui.
Sou tão humana, quero coisas aqui, espero recompensas aqui, tu me ofereces a eternidade toda e eu pareço querer trocá-la por algo breve... Mas não é trocá-la, nem não reconhecê-la, é querê-la logo.

Até porque Senhor, os ímpios parecem ser mais completos que eu, que te tenho! Como pode isso fazer sentido? Tudo que eles querem eles têm, o que buscam encontram tão rápido e isso faz com que me olhem e pensem o porque de querer algo que tenho e digo que trás felicidade eterna se aparentemente estão em melhores condições que eu? Isso faz sentido? Não faz sentido.

Quero tanto fazer tuda vontade pois sei que é o que devo fazer, nasci pra isso, mas quando faço nem parece valer a pena... Sei que estou enganada, mas é o que sinto. Porque fingir que não se tu sondas meu coração?
Se todos os que já te conhecem agissem com menos hipocrisia talvez ajudassem mais uns aos outros.

O que te peço, Senhor, é que me conserves em Ti, que me dê o bom ânimo que dissestes pra eu ter e que me reforces sempre que mesmo com esses sentimentos, eu estou exatamente onde devo estar, pela tua GRAÇA, e que tu és o meu Senhor e Salvador, o único sentido.
Perdoe minhas falhas, confesso todas, e vê qual caminho mal tem em mim, tira-me dele e guia-me pelo caminho eterno.

Em nome de Jesus,
Amém.




"Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração." (Romanos 12:12)

"e a paz de Deus, que excede todo entendimento guardará vossas mentes e vossos corações em Cristo Jesus" (Filipenses 4:7)

29 de julho de 2010

Uma vergonha de amiga

Isso é amizade.
Sou uma vergonha. Um péssimo exemplo de amiga. Eu sei.
Sei lá. Já fui melhor, mas nunca fui legal.

Amizade pra mim é amizade mesmo. Tenho um conceito super elevado.
Amigo pra mim é aquela pessoa que você pode passar 1 ano sem falar e quando vê não vai fazer a mínima diferença.
Que vai pra casa e fica fazendo nada.


Que não tem preocupação em ficar medindo as palavras e quando se toca já tá falando daquela viagem que tava pensando antes de dormir.
Que você não tem obrigação em falar com carinho, pois sabe que nada que expresse vai realmente dizer algo.(meigo)

Tenho pouquíssimos amigos.
Todos os meus amigos são melhores que eu e não sei porque são meus amigos, porque eu realmente sou péssima como amiga.
Eu moro com um amigo. É bom ter a benção de ter um irmão que é amigo.
Então, ele é um exemplo de amizade como entendo.
Eu o amo mesmo quando o odeio. (É...bem grey's anatomy)
Porque eu tenho toda a certeza do mundo que meus ódios momentâneos por ele não chegam nem perto do meu amor.

E mesmo que eu queira socá-lo e que eu chegue a bater com um salto porque ele fez cara de cínico quando eu tava P. da vida.

Agora vou fazer uma análise de uma parte de poesia de shakespeare. huhu

Alguém que nos possa dizer:
Acho que você está errado, mas estou do seu lado.
(Shakespeare)

Sei lá... "acho que vc está errado, mas estou do seu lado".
ok. Pode ser um "Vc tá errado, mas eu to contigo, não vou te abandonar e tal". Mas sei lá.

acho melhor um "acho que tu tá errado, eu não vou ficar te julgando, mas to te alertando, mas não vou ficar do teu lado te cobrindo, concordando e passando a mão na tua cabeça, até porque se tu estás errado, pode até ser bacana agora, ficar feliz e tudo, mas tu não vais sair bem disso e eu não quero isso pra ti."

ok. não é muito poético. 
E como dizem... as pessoas querem se f... mas se divertir... então num sei de nda.

pronto. Acabou a análise.

mas como já disse, sou uma péssima amiga. quem sou eu pra falar de amizade?

Quer ser meu amigo?